quinta-feira, maio 15, 2008

CULTURA NÃO É ADORNO

ESSA SAIU NO POPULAR, NO MAGAZINE, MAS DEVIA ESTAR NA PÁGINA POLICIAL, QUE FALTA DE VERGONHA!

"Sem grandesmudanças
Representantes de entidades culturais avaliam que Doracino Naves vai dar continuidade à gestão de Kleber Adornona Secretaria Municipal de Cultura
por Edson Wander para o jornal O POPULAR 13/05/2008.

A maioria dos dirigentes de entidades culturais de Goiânia ouvida pelo POPULAR fala em “continuidade” na indicação de Doracino Naves para a Secretaria Municipal de Cultura (Secult). Naves foi empossado na pasta na sexta-feira pelo prefeito Iris Rezende, numa solenidade conjunta de novos secretários no Paço Municipal.

Os dirigentes das entidades culturais da capital avaliam que a indicação era “natural” e “esperada”, comentaram a “identificação” de Naves com o ex-secretário Kleber Adorno e evitaram comentar a notícia publicada no sábado pelo POPULAR mostrando a ligação do novo secretário com projetos aprovados no ano passado pela Lei Municipal de Incentivo à Cultura, época em que ele presidia a comissão que selecionava esses projetos.

Naves participou de um documentário sobre a imprensa em Goiás como trabalho de final do curso de jornalismo, que ele concluiu recentemente na UCG. O documentário captou R$ 21 mil pela lei para ser realizado. Também no ano passado, dois projetos de patrocínio à igreja Ministério Comunidade Cristã também foram aprovados. Os projetos, no valor total de R$ 33 mil, destinavam-se à captação de patrocínio a um programa de TV (Raízes Jornalismo Cultural) cujo apresentador é o próprio Naves.

Ao POPULAR, o novo secretário negou haver conflito de interesse nos casos e disse que não foi o autor do projeto do documentário e que os patrocínios à igreja não foram concluídos por insucesso na captação. Ele também frisou que seu principal trabalho à frente da Secult “será continuar o grande trabalho que Kleber Adorno vinha executando na secretaria”.

Kleber Adorno deixou a pasta por sugestão do próprio prefeito para concorrer a uma vaga na Câmara de Vereadores. Aidenor Aires, presidente do Instituto Histórico e Geográfico de Goiás, vê com “otimismo” a troca de comando na secretaria. “Acho que era o nome esperado. Ele é identificado com o trabalho que vinha sendo feito por Kleber Adorno na secretaria e com o próprio prefeito. Vejo como otimismo a nomeação dele, uma ruptura nesse momento não seria bom”, disse Aires, que é integrante do Conselho Municipal de Cultura, cuja composição foi indicada em sua quase totalidade pelo prefeito e continua sendo alvo de uma ação no Ministério Público.
Beto Leão, presidente da Associação Brasileira de Documentaristas (ABD – Seção Goiás) ressaltou o “importante trabalho” que Naves já desempenhou pela cultura na época em que foi presidente da Fundação Pedro Ludovico Teixeira (atual Agepel) e como vereador de Goiânia. “Sou amigo dele e acho que ele tem feito um trabalho importante pela cultura ao longo do tempo. Foi ele o autor de uma lei nos anos 80 que acabou abrindo caminho para a criação de eventos como o Festcine em Goiânia. Acho que ele fará um bom trabalho de continuidade da gestão do Kleber Adorno, como a criação do [Centro Municipal de Cultura] Goiânia Ouro”, afirmou Leão.
A presidente da Associação de Amigos do Museu de Arte de Goiânia (Amag), Miriam Baeta, e o presidente da Fundação Otavinho Arantes, o cantor Xexeo, enfatizaram o estilo “conciliador” de Naves e acharam que ele foi “a melhor opção” na substituição. “É uma pessoa muito capacitada, muito íntegro e interessado no que faz. A secretaria vai ganhar muito com ele”, disse Miram Baeta, da Amag.
Para Gilberto Correia, presidente da Associação dos Cantores e Compositores de Goiás (Asccom), a indicação de Naves era previsível e ele vai dar continuidade ao trabalho do ex-secretário. “Mesmo que queira, não terá tempo suficiente para imprimir alguma mudança.”
No coro contrário à maioria dos dirigentes culturais, Eládio Garcia, presidente da Associação Goiana de Cinema e Vídeo (AGCV), é crítico à nomeação e fala em “continuísmo” ao invés de “continuidade”. “Temos um embate com toda a diretoria da secretaria já de muito tempo. A indicação dele não é a continuação, é o continuísmo do que o Kleber Adorno vinha fazendo, uma gestão autoritária e clientelista”, criticou.

Na mesma linha vai Norval Berbari, presidente da Federação de Teatro de Goiás (Feteg). “Ele \[Doracino\] já foi presidente da Fundação Pedro Ludovico Teixeira na época em que o Kleber Adorno foi secretário de Estado da Cultura, era então o braço direito do Kleber. Acho que era um nome natural para a secretaria agora e penso que vai continuar a mesma política que nós combatemos, essa coisa de atender às demandas culturais da cidade no balcão ao invés de implantar critérios democráticos de gestão da cultura”, disse Berbari.Ontem pela manhã, a assessoria da Secult organizou um café da manhã reunindo funcionários e produtores culturais da cidade para homenagear o novo secretário.

2 comentários:

Portal Ousar.Net disse...

Muito bom este blog.... estarei sempre visitando...
Gostaria de receber suas críticas e sugestões para meu portal www.ousar.net
Tenho nele um Catálogo de Artistas Goianos que publiquei na Internet em janeiro de 2008 e não contei com a adesão de muitos artistas... então estarei abrindo o espaço para todo Brasil...
Gostaria de algumas dicas e opiniões sobre esta frustrada tentativa de divulgação da cultura goiana

Visgo disse...

Obrigado.Volte mesmo, o blog está meio parado, mas em breve será atualizado e com novidades sobre esse mesmo caso. Afinal, cultura em Goiás, é de pasto!